A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR EM SALA DE AULA
07 de Novembro de 2017 - Fonte:MARCIO MAURICIO PICOLI e ROSEMERI DOS SANTOS AUGUSTO
Compartilhar
  • MARCIO MAURICIO PICOLI¹
    ROSEMERI DOS SANTOS AUGUSTO²

     

                 A Resolução de problemas é de fundamental importância para a educação matemática. Ela dá suporte para aplicações da matemática do cotidiano, motivando os estudantes da disciplina, visto que adequa a matemática a situações reais que ocorrem com os alunos. A resolução de problemas deve ser feita através do raciocínio lógico e não de forma mecânica, pois se deve incentivar e instigar o aluno a pensar no processo de resolução e não usar fórmulas sem saber o porquê está usando. A Resolução de Problemas é uma metodologia de ensino de Matemática muito eficaz, pois propiciauma mobilização de saberes no sentido de buscar a solução. Nessa busca, o aluno aprende a montar estratégias,raciocinar logicamente e verificar se sua estratégia foi válida, o que colabora para um amadurecimento dasestruturas cognitivas.

     

                 Este artigo originou-se a partir da observação de aulas de matemática, através do contato com a prática docente foi possível perceber que muitosprofessores não trabalham com a Metodologia da Resolução de Problemas, e quando propõemproblemas aos alunos, estes apresentam muitas dificuldades em resolvê-los.

     

                 Segundo KRULIK (1980, p.82), “A resolução de problemas é a própria razão do ensino de matemática”. Assim sendo, vemos que é de fundamental importância discutir e abordar novas metodologias para que o ensino da matemática se torne cada vez melhor, permitindo que os alunos resolvam problemas, não de forma mecânica, mas com um raciocínio lógico e coerente, coisa que não vem acontecendo nesta prática de ensino.

     

                Segundo os PCN’S de Matemática (BRASIL, 1998), a resolução de problemaspossibilita aos alunos mobilizar conhecimentos e desenvolver a capacidade para gerenciar asinformações que estão ao seu alcance. Assim, os alunos terão oportunidade de ampliar seusconhecimentos acerca de conceitos e procedimentos matemáticos bem como ampliar a visãoque têm dos problemas da Matemática, do mundo em geral e desenvolver sua autoconfiança.

     

                A atividade de resolver problemas está presente na vida das pessoas, exigindosoluções que muitas vezes requerem estratégias de enfrentamento. O aprendizado deestratégias auxilia o aluno a enfrentar novas situações em outras áreas do conhecimento.Sendo assim, é de suma importância que os professores compreendam como trabalharesta metodologia, a fim de desenvolver no aluno a capacidade de resolver situaçõesdesafiadoras, interagir entre os pares, desenvolver a comunicação, a criatividade e o sensocrítico.

     

                 Dante (1998), afirma que embora tão valorizada, a resolução de problemas é um dostópicos mais difíceis de serem trabalhados na sala de aula. É muito comum os alunos saberemefetuar os algoritmos e não conseguirem resolver um problema que envolva um ou maisalgoritmos. Isso se deve à maneira com que os problemas matemáticos são trabalhadosna sala de aula e apresentados nos livros didáticos, muitas vezes apenas como exercíciosdefixação dos conteúdos trabalhados.

     

                 Portanto, o professor deve ter em mente os objetivos que deseja e possa fazer o uso adequado da resolução de problemas, seja para aplicar alguma técnica ouconceito desenvolvido, trabalhar com problemas abertos nos quais há mais de uma soluçãopossível, suscitando o debate e a argumentação em defesa de cada resolução, trabalhar comproblemas gerados a partir de situações de jogo ou da interpretação de dados estatísticos. Aseleção do problema deverá ser decorrente dos objetivos a serem alcançados.

     

                 Para Zuffi&Onuchic (2007), a resolução de problemas pode colaborar para que hajaalguma mudança na perspectiva da ação docente. Afinal sua utilização merece atenção porparte de todos os professores.Quando se propõe aplicar a resolução de problemas no ensino da matemática refere-sea problemas não rotineiros e algorítmicos, onde o aluno muitas vezes pergunta “a conta é de mais ou de menos”?Problemas rotineiros não avaliam, por si só, atitudes, procedimentos e aforma como os alunos administram seus conhecimentos.

     

                 Assim concluímos que ao aproximar a matemática do cotidiano, tem-se um resultado favorável no que se refere ao aproveitamento dos alunos. Debates e discussões visando à criação de problemas aplicados no dia a dia devem acontecer constantemente nos cursos de licenciatura em matemática, pois, assim, a formação deste profissional será mais completa. 

     

                 Diante de todo o exposto, percebe-se que são muitos os pontos importantes para encontrar a motivação e o interesse do aluno, não só a maneira como se ensina, mas como se trabalha cada conteúdo a ser ensinado. A resolução de problemas é de fundamental importância, pois trata preponderantemente da realidade em sala de aula, devendo ser trabalhada juntamente com outros fatores também indispensáveis, como o material didático, a criatividade do professor, a interação dos alunos, a disciplina, entre diversos elementos educacionais que o professor deve buscar em seu cotidiano juntamente com suas turmas.

     

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

     

    BRASIL Parâmetros Curriculares Nacionais. Matemática, v. III, 1996.

    O professor de matemática e sua relação ao conhecimento.

    DANTE, L.R. Didática da Resolução de Problemas de Matemática. 2ªed. São Paulo: Ática, 1998.

    KRULIK, Stephen, A resolução de problemas na matemática escolar,4 ed., São Paulo, Atual, 1997.

    ONUCHIC, L.L.R. & ZUFFI, E. M. O ensino-aprendizagem de matemática através da Resolução de Problemas e os processos cognitivos superiores.

     

    [1]Graduado no curso de Licenciatura em Matemática pela Unemat SINOP-MT. Pós Graduado em Especialização em Metodologia do Ensino de Matemática pela faculdade AlternativoInstituto de Educação “Bom Jesus” de Cuiabá – MT.

     

    [1]Graduada no Curso de Licenciatura em Pedagogia por meio do Centro Universitário Cesumar – UNICESUMAR. Pós-graduada em Psicopedagogia Institucional no Cesumar _ UNICESUMAR de Maringá, polo de Sinop – Mato Grosso.