Prefeitura de Sinop contrata empresas implicadas em corrupção, vereador rebate
06 de Dezembro de 2018 - Fonte:Assessoria
Compartilhar
  • No uso do pequeno expediente durante a 41ª Sessão da Câmara desta segunda-feira (03), o vereador Adenilson Rocha teceu críticas sobre a contratação de empresas efetivadas pela prefeitura de Sinop nos últimos tempos.

     

    Rocha deixou claro sua insatisfação na contratação das empresas para a prestação de serviços públicos. “São contratações sistemáticas de empresas que respondem acusações ou processos por atos de corrupção. A Adesco e Instituto que vai administrar a UPA são alvos de inúmeras denúncias de corrupção. A empresa Serget contratada para alugar os radares, por 24 meses e um custo de R$ 8, 7 milhões responde por várias acusações em Cuiabá, a Ager e a concessionária da água também. É lamentável que somas vultuosas de recursos públicos estão indo literalmente para o ralo da corrupção” atacou.

     

    Adenilson apontou também para a redução do valor pago aos profissionais. “A empresa contratada para gerir a saúde pública de Sinop quer reduzir os salários dos profissionais da saúde. Os técnicos de enfermagem que ganham em torno de R$2,3 mil, a empresa quer pagar apenas R$1,3 mil. Pelo lucro querem tirar o coro de quem trabalha”, criticou.

     

    O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) denunciou em janeiro deste ano que a “OS” Instituto Social Saúde e Resgate à Vida (ISSRV), que administrará a Unidade de Pronto Atendimento (Upa) de Sinop e mais cinco UBS do município, praticou várias fraudes trabalhistas.

     

    De acordo com o Simesp, a ‘organização social’ pratica fraudes trabalhistas em outras cidades como Miracatu, onde os médicos por CLT, com um salário-base muito baixo, e as atividades extras realizadas, como plantões e procedimentos, são pagos em caixa dois. Já em Embu das Artes, o Simesp recebeu denúncias de que a OS não está pagando por plantões trabalhados e em Itapecerica da Serra a empresa contrata médicos sem vínculo empregatício.