Adenilson encaminha projeto sobre direito de mulheres ao exame genético que detecta a trombofilia e tratamento
18 de Junho de 2018 - Fonte:Redação / Marcos Silva
Compartilhar
  • O Projeto de Lei que dá o direito de toda mulher ao exame genético que detecta a trombofilia e ao respectivo tratamento, foi encaminhado para análise das comissões na última Sessão da Câmara de Sinop na segunda-feira (11).

     

    Adenilson destaca a importância do acompanhamento médico. “Este Projeto de Lei pretende garantir a toda mulher do município o direito de fazer pelo Sistema Único de Saúde (SUS) o exame que detecta a trombofilia. A avaliação da necessidade de investigação deverá ser feita pelo médico obstetra ou ginecologista por meio do histórico familiar da paciente, particularmente em relação aos parentes de primeiro grau com trombose e gravidez de alto risco com comprovada associação à trombofilia”, detalha Adenilson.

     

    Em termos médicos, a trombofilia é uma maior propensão à "ocorrência de eventos trombóticos venosos". Traduzindo: é uma tendência ao chamado “sangue grosso”, que, na prática, contribui para o entupimento de veias. Não se trata de uma doença, mas de uma condição que pode ter diferentes causas. Confira aqui as respostas para as dúvidas mais comuns sobre o assunto.

     

    Qualquer vaso sanguíneo pode ter a circulação do sangue interrompida ou prejudicada por causa de um coágulo. O fluxo de sangue mais lento ou uma anomalia no organismo, relacionada à coagulação, são as principais razões que favorecem a formação do coágulo.

     

    É o sangue que leva os nutrientes necessários ao bebê para que ele possa se desenvolver. O corte ou a diminuição do fluxo que a existência de um coágulo pode provocar nas veias da placenta gera riscos para a criança e para a mulher. Dependendo do nível de obstrução venosa, o bebê pode até falecer. O risco maior, para a grávida, é de que ocorra uma embolia pulmonar.

     

    A saúde da mãe e do filho corre menos perigo quando ambos têm o acompanhamento médico necessário. A mulher deve seguir com rigor as orientações dos profissionais de saúde que lhe prestam assistência e sempre recorrer aos especialistas quando surgir dúvidas ou sentirem que algo não vai bem.