Alimentação na gestação
23 de Setembro de 2020 - Fonte:Dayane P. de Lima Nutricionista
Compartilhar
  • Uma das grandes dúvidas das gestantes quando descobrem um amor maior se formando dentro de si, é em relação com a alimentação. O que comer? O que evitar? São as perguntas mais frequentes das mamães.

     

    Então vamos lá as dicas: A gestação é dividida em 3 trimestres, sendo cada um deles a presença essencial de alguns nutrientes específico.

     

    PRIMEIRO TRIMESTRE

     

    Ácido fólico — ou vitamina B9, é o nutriente mais utilizado pelas grávidas e indicado pelos médicos e nutricionistas. E não é à toa. Sua ingestão previne defeitos na formação do tubo neural do feto (estrutura que dará origem ao cérebro e à medula espinhal). Boa parte dos ginecologistas e obstetras recomenda que a mulher que deseja engravidar já comece a tomar a vitamina B9 pelo menos três meses antes da concepção e continue a sua ingestão no primeiro trimestre de gestação. Os médicos fazem esta recomendação porque níveis adequados de ácido fólico nem sempre são obtidos apenas por meio da alimentação.

     

    SEGUNDO TRIMESTRE

     

    Vitamina C — age na formação do colágeno, que compõe pele, vasos sanguíneos, ossos e cartilagem, aumenta a absorção do ferro e fortalece o sistema imunológico. Magnésio — o mineral que favorece a formação e o crescimento dos tecidos do corpo. Vitamina B6 — importante para o crescimento e o ganho de peso do feto e a prevenção da depressão pósparto. Ferro — é essencial na produção de hemoglobina, proteína responsável pelo transporte de oxigênio pelo sangue. Evita que a mãe ou o bebê tenham anemia.

     

    TERCEIRO TRIMESTRE

     

    Cálcio — por conta de seu papel na formação óssea do bebê, o mineral é obrigatório na dieta da futura mãe. Sua deficiência pode provocar cáries, cãibras e unhas quebradiças. O cálcio tem outra nobre função: a de auxiliar a produção de leite após o parto. Ele ajuda ainda no processo de coagulação do sangue e na manutenção da pressão sanguínea, dos batimentos cardíacos e das contrações musculares. Mas vale uma dica: evite consumir fontes de ferro e cálcio juntas, como carne e leite, pois um nutriente atrapalha a absorção do outro.

     

    EVITE: Durante a gestação, o consumo de cafeína (café e chá) deve ser moderado e de preferência feito junto com leite.

     

    É recomendável também evitar frituras, gorduras, alimentos com cheiro forte e desagradável, bem como condimentos (ketchup, pimenta, mostarda e picles). Também não se devem beber líquidos durante as refeições, a fim de evitar a distensão do estômago e uma digestão mais lenta.

     

    Outros alimentos proibidos são: queijo fresco de leite não pasteurizado (devido ao risco de se contrair brucelose); álcool, pois afeta o desenvolvimento do bebê; comidas que aumentam a formação de gases, como grãos, feijão, repolho, couve-flor e bebidas gaseificadas; carne mal passada (por causa do risco de toxoplasmose); e mariscos e maioneses (devido ao perigo de salmonela).

     

    PREFIRA: alimentos naturais, use temperos naturais, fracione suas refeições ao longo do dia sendo 3 principais (Café da manhã, almoço e jantar), e os lanches intermediários, preferindo o consumo de frutas, tenha sempre nas suas refeições porções de saladas tanto cruas como cozidas (atenção as saladas cruas devem estar bem higienizadas).

     

    Dra. Dayane Lima Nutricionista CRN1 n° 14326/P (66) 9 9969-9064