Rogê Além faz show no Guadalupe Bar no domingo
27 de Abril de 2018 - Fonte:Lidiane Barros / Assessoria
Compartilhar
  • Ele acaba de lançar o disco Analosintético em plataformas de música da internet e em nova etapa, Rogê Além começa a circular por Mato Grosso. O projeto aprovado pelo edital Circula MT, da Secretaria de Estado de Cultura, chega a Sinop neste domingo (29). O show dançante, começa às 20 horas e tem entrada gratuita.

     

    Na turnê o músico incluiu ainda, Rondonópolis, Cuiabá, Várzea Grande e Chapada dos Guimarães. Todas as apresentações têm entrada livre e em cada uma das cidades será realizada oficina de capacitação para músicos e interessados no segmento.

     

    Com o novo trabalho, Rogê adentra o universo da música experimental brasileira. Tal qual outros grandes nomes da MPB que vez ou outra se utilizam de timbres, guitarras e beats sintéticos em suas produções, aposta em uma música mais intuitiva subsidiada por recursos tecnológicos.

     

    Por seis meses, o compositor, cantor e produtor, atuou em todas as frentes. Não esteve em um grande estúdio, mas em seu recanto, entrou em processo imersivo, tal qual o de um cientista em seu laboratório. A fusão da organicidade do sentimento, a poética existencialista de suas letras e a sonoridade de plástica sintética que resulta da utilização de softwares, deu origem ao disco cintilado por várias atmosferas. 

     

    Tem romance, música para dançar, um tom lisérgico, apocalíptico e especialmente, certa dose de world music – representada pelo tom hipnótico de mantras indianos – e ainda, da improvisação jazzística. As canções podem ser conferidas pelo Soundcloud e YouTube, agora mesmo!

     

    Rogê também investiu no aprimoramento vocal. Segundo Sonia Mazetto, fonoaudióloga responsável pela preparação do cantor, neste trabalho Rogê interpreta suas canções com um timbre autêntico, de cor e vibração rara. Ela destaca ainda que o que torna a obra mais rica musicalmente é o fato do ‘cantautor’ ter encarado a voz como um instrumento, trazendo ao Analosintético interpretações e arranjos vocais ousados. “Claramente denota sua preocupação com a pesquisa e com a criatividade ao explorar linhas melodias e de contra-canto que criam texturas incríveis. "Sem dúvida, um dos trabalhos mais significativos e complexos que já vi ao longo desses 20 anos na música de Mato Grosso. Fico muito feliz de ter feito parte desta construção que foi concebida por várias mãos." 

     

    “É um disco que replica uma série de mudanças. Me desfiz de conceitos pessoais e artísticos, ressignifiquei minha música. Com a utilização de um software – indicação do parceiro e artista Caio Mattoso – me assumi produtor também, fui de encontro a um milhão de possibilidades timbrísticas”, conta.

     

    Para a nova produção – que sucede a vivência de muitos anos à frente da banda Engenho de Dentro e dois EPs – traz 11 faixas. Altamente existencial e biográfico, a produção musical é aguçada pelos sentimentos de Rogê. “É a externalização de um sentimento pessoal que eu tenho certeza que vai tocar muita gente. Quero que minha música seja libertadora, que as pessoas possam refletir, possam ser felizes também. Que elas se sintam encorajadas. É para balançar o corpo e sacudir a alma”.

     

    A direção geral e artística, bem como a produção musical do disco, é de Rogê Além. Para arrematar a parte técnica, a mixagem e masterização ficou a cargo de Leonardo Lima. Já a concepção visual e a direção e arte - que amarram o conceito -, são fruto do trabalho de Eduardo Dario, com apoio da fotógrafa Mariangela Ferruda Zilli e styling por Anne Neubauer.

     

    O conceito idealizado para este trabalho reúne as duas linguagens que norteiam a nova proposta do artista nessa obra, no caso o universo analógico e o digital.  Eduardo frisa que o desafio na criação foi justamente trazer à estética vintage - fortemente presente no estilo de vida do Rogê - uma intervenção moderna, estabelecendo assim um cenário atemporal. "Desde o início do planejamento, estava claro para nós que o Analosintético não seria apenas um disco, mas sim, um projeto audiovisual multifacetado", descreve.