Sem festa, sem fogos, sem organização
31 de Dezembro de 2017 - Fonte:Editoria
Compartilhar
  • A atual administração não conseguiu realizar a tradicional ‘Festa de Reveillon Popular’ Sinop. A prefeitura do município alegou, através de nota, que o principal motivo para a não realização do evento é a crise financeira. Usaram como desculpa o cenário econômico atual, mas sabemos que não é bem assim.

     

    Os responsáveis pelo evento, neste caso a cargo da Secretaria de Comércio, chefiada pelo secretário Daniel Brolese, chegaram a projetar um espetáculo para a sociedade que sempre lota espaços públicos para acompanhar a chegada de um novo ano, porém um erro da organização deixou de fora a queima de fogos, sendo assim, para evitar qualquer irregularidade o Corpo de Bombeiros protocolou um documento que não permitia a queima de fogos, pois não tinha legalidade e não tinha projeto para a realização.

     

    Dois pontos possíveis para o evento tinham sido apontados: a praça da Bíblia, onde está instalada a vila do Natal dos Sonhos, e a área externa do estádio municipal Gigante do Norte. No primeiro deles, ao serem estudadas as condições da área onde já se encontram dezenas de estruturas da Vila, a proximidade com comércios, residências e rede elétrica, concluiu-se que ela não apresenta condições técnicas para o show pirotécnico (distanciamento entre os equipamentos que disparam os fogos, por exemplo), uma vez que todo o espaço foi preparado para o Natal dos Sonhos. 

     

    Parece que um ano foi pouco tempo para o secretário organizar um avento que já acontece tradicionalmente em nossa cidade. Aos munícipes resta aguardar que 2018 seja diferente e que possam olhar para o calendário com mais antecedência, e assim planejar e realizar a única festa popular que é realizada em Sinop, a quarta maior cidade do estado e maior cidade da região norte.

     

    Vamos seguir o exemplo de Matupá, Colíder, Sorriso, Santa Carmem e tantas outras cidades, que organizaram a tempos o evento de fim de ano a seus munícipes.