Indea MT atualiza programa de prevenção de ferrugem asiática no Estado 02/02/2021 Fonte: Thielli Bairros | Sedec MT
A secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec) e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT) atualizaram as medidas fitossanitárias para prevenção e controle da ferrugem asiática da soja no Estado. A Instrução Normativa 001/2021 foi publicada nesta segunda-feira (01.02) no Diário Oficial do Estado. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, “não houve alteração nos princípios que norteiam o programa de prevenção e controle de ferrugem asiática, assim como o calendário de plantio e o vazio sanitário da soja continuam inalterados”. ,A IN contempla, a partir de agora, a possibilidade de autorização de plantios excepcionais, para fins de pesquisa, fora da janela do calendário de plantio (de 16/09 a 31/12) desde que observados os mesmos critérios estabelecidos para os experimentos realizados durante o vazio sanitário da soja, que já estavam previstos na IN 002/2015. Com dilação de prazo para até 15 de fevereiro, haverá possiblidade de realização de outras pesquisas de cunho técnico e científico, não contempladas na norma anterior, limitando a colheita dos experimentos a 14 de junho ou 31 de julho, conforme o caso. “Anualmente, indeferimos diversas solicitações de instituições de ensino e pesquisa para realização de projetos de produção técnica ou científica para os produtores e profissionais do Estado por que não havia previsão legal para isso. De certa forma, estávamos limitando a produção de conhecimento por um entrave legal, mas estabelecemos um prazo para que esses experimentos fossem finalizados, salvaguardando a cultura com um período efetivo de vazio sanitário”, explica Renan Tomazele, diretor técnico do Indea MT. A Instrução inclui a obrigatoriedade da utilização de fungicidas multissítio nas aplicações para controle da ferrugem asiática. “Desde 2015, o uso de produtos multissitio para o controle da ferrugem asiáticas tem se tornado cada vez mais importantes. Devido à sua utilização como ferramenta de prevenção da resistência aos demais grupos de fungicidas, entendemos ser necessária a inclusão deste importante grupo de produtos como obrigatório”, acrescenta Silvana da Silva Amaral, coordenadora de Defesa Vegetal do Indea MT. Também está estabelecida a obrigatoriedade da eliminação das plantas guaxas ou tigueras de soja em áreas não cultivadas com a cultura em qualquer período do ano. “Nos últimos dois anos fizemos o acompanhamento da ferrugem asiática nas plantas de soja guaxas através do Laboratório de Sanidade Vegetal do Indea e encontramos a doença o ano todo, inclusive no período da seca. Essa medida é de extrema importância, pois assim estaremos eliminando qualquer possibilidade de ponte verde em nosso Estado”, finaliza Silvana.
COMPARTILHAR COM